Ao longo de 320 páginas, Viva la Vida Tosca vai se propor a contar a vida de uma das figuras mais conhecidas (e polêmicas) do rock nacional, João Gordo, vocalista da Ratos de Porão, uma das maiores bandas punk do Brasil. Só que antes de seguir com essa resenha, preciso confessar uma coisa: nunca fui um fã do João Gordo, tão pouco dos Ratos de Porão ou de música hardcore.

Nesse exato momento,  você deve estar se perguntando o porquê que eu li essa biografia então, se nunca me interessei pelo músico antes; é a resposta é simples. Biografias vão muito além de contar apenas a vida de uma pessoa, elas capturam e cristalizam momentos, movimentos e até gerações. Por isso, esse não é “” um livro sobre o João Gordo, é um livro sobre música e cultura pop.

O período que o livro abrange é desde o nascimento do músico com o nome de João Francisco Benedan até basicamente os dias de hoje, e não vou me ater a especificar ou contar a história de vida dele porque isso pode ser achado em alguma Wikipédia da vida e o Barcinski fez um trabalho muito melhor do que eu faria no livro. Na realidade, separei quatro motivos pelos quais você deveria ler esse livro.

1O primeiro motivo é, justamente, o autor desse livro. André Barcinski não só tem um sobrenome legal e colunas em grandes publicações do país (sério, sigam o blog dele no Uol), como já ganhou um prêmio Jabuti por Barulho – Uma viagem ao underground do rock americano e é co-autor da biografia do Zé do Caixão, também publicada pela Darkside. Definitivamente já se provou ser, ao menos para mim, um ótimo biógrafo, sabendo apresentar as histórias dessas pessoas de uma maneira que você praticamente as devora.

Os quase dois anos de entrevistas feitas pelo autor com o João Gordo, refletem-se aqui em uma narrativa em primeira pessoa que traz todo o estilo do músico e que mescla todas as histórias de maneira natural,  dando a sensação de que você está conversando com João numa tarde qualquer. E isso é algo complicadíssimo de ser feito sem soar forçado demais, então, ponto para o autor.

 2

João Gordo é uma figura polêmica e, quer você goste ou não goste, é difícil negar a sua presença. E seria simples lançar uma biografia dele que ou ocultasse tudo para tentar mudar essa imagem, ou então atirasse para todos os lados, provocando a tudo e a todos, com o simples intuito de gerar buzz em cima do livro e fazê-lo, talvez, aparecer na Sonia Abrão?.

Felizmente, não é esse o caminho tomado, João Gordo é sincero e narra sua vida como ela foi, sem adicionar ou tirar nada, mostrando um lado dele que eu (e aposto que muitos outros) desconhecia. A obra é bastante abrangente e explora os seus medos, as mais loucas situações pelas quais ele passou, a sua relação com as drogas e de sua problemática relação com a família.

3Original, provocador e irreverente. Não é preciso procurar muito mais sobre o porquê se deu a relação do João Gordo com a MTV Brasil, a mais criativa e questionadora emissora que tivemos no Brasil, que testou formatos e formou muita gente que vemos na televisão hoje (até o Zeca Camargo veio de lá), que tinha a ousadia de dizer para você desligar a televisão e ir ler um livro.

E acompanhar essa transformação do João Gordo conhecido apenas em um nicho bem fechado em uma figura pública que aparece em cadeia nacional é muito legal. Vemos bastidores dos programas que ele apresentou, situações pelas quais passou, pessoas famosas, incluindo outros músicos, com as quais fez amizade. Enfim, mostra o outro lado da indústria do entretenimento brasileiro.

BÔNUS E, para finalizar, é claro que não poderia deixar de lado a edição genial da Darkside Books, que não só está ali para te encantar com o típico acabamento capa dura e um acabamento gráfico primoroso. Todo o projeto do livro ajuda a aproximar ainda mais o leitor da obra, ao imitar uma espécie de diário ou caderno de recortes. Fora a guarda linda em homenagem aos tokusatsus e kaijus da cultura nipônica.

Enfim, certamente uma das biografias mais interessantes que li.

Livro cedido pela Darkside Books para resenha.
Book’s not dead. <3


Autor: André Barcinski
Editora: Darkside Books
Número de páginas: 320
Ano: 2016
Sinopse: O Brasil todo conhece João Gordo, o carismático e polêmico apresentador de TV e vocalista da banda punk Ratos de Porão. Por mais de vinte anos, João tem sido uma figura importante da cultura pop nacional, famoso por seu jeito escrachado e espontâneo, um personagem amado e odiado com igual intensidade.

Se todo mundo conhece João Gordo, poucos conhecem João Francisco Benedan.

Nascido em uma família pobre do subúrbio de São Paulo, João teve uma vida e tanto: rebelde desde pequeno, viveu conflitos intensos e violentos com o pai, Milton, policial da Rota, um homem de temperamento explosivo.

A solidão e as brigas com o pai fizeram com que João buscasse na música – mais especificamente, no punk rock, a música mais agressiva e contestadora que encontrou – uma válvula de escape para suas frustrações. E assim João Francisco Benedan virou João Gordo, cantor do Ratos de Porão, a banda mais suja e agressiva do Brasil, famosa em todo o mundo.

Mas João sempre foi um personagem mais interessante e complexo do que sua imagem fazia supor. Inteligente e dono de uma cultura pop impressionante, sempre se destacou por um senso de humor ácido e uma capacidade de rir da própria condição. Sua verve esperta e seu carisma o tornaram, a partir dos anos 1990, um dos personagens mais marcantes da TV brasileira, primeiro na MTV, onde revolucionou a emissora com programas escrachados e engraçados, e depois na TV Record, onde fez parte do elenco do programa Legendários.

Em JOÃO GORDO: VIVA LA VIDA TOSCA, ele conta, em primeira pessoa, toda a história de uma vida fascinante e desconhecida, por vezes hilariante, outras vezes triste e comovente. Com seu jeito sincero e sem papas na língua, João fala de tudo: das brigas com o pai, da história do punk brasileiro, de sua trajetória incomum na TV, de sua transformação em ídolo infantojuvenil e dos excessos – de drogas, álcool e ego – que quase lhe custaram a vida.

O livro JOÃO GORDO: VIVA LA VIDA TOSCA é narrado em primeira pessoa, com o linguajar típico de João Gordo, e foi escrito pelo jornalista André Barcinski, que entrevistou João por quase dezoito meses. O resultado é um relato inesquecível da vida de uma figura incomparável de nossa cultura pop, um punk que se tornou ídolo da molecada e que nunca mudou seu jeito de ser.