Sabe aquela máxima de mãe que diz para tomar cuidado com essas pessoas que você conhece pela internet e que você provavelmente responde dizendo para ela deixar de ser tão preocupada? Depois de ler Social Killers, escrito por RJ Parker e JJ Slate, você entenderá o que ela quer te dizer.

Você realmente conhece todas aquelas pessoas listadas como seus amigos? Se o velho ditado “quem vê cara não vê coração” for mesmo verdade, o que se pode dizer sobre todos aqueles avatares sorridentes que você adicionou?

Parte da coleção Crime Scene, publicada pela Darkside Books, o livro reúne pouco mais de 30 casos reais no qual a internet serviu como um facilitador para criminosos, oferecendo a vítima praticamente de bandeja. E o leque de crimes abordados não é pequeno e vai de canibalismo a falsidade ideológica, de estupro e tortura a assassinato, sempre narrados detalhadamente, sem qualquer tipo de suavização, o que torna esse livro, assim como o Serial Killers – Anatomia do Mal, uma leitura pesada e muitas vezes chocantes.

Ler casos como a de uma pessoa aficionada por grávidas que força um parto ou que envolvem canibalismo certamente farão com que você repense os limites daquilo que conhecemos como ser humano. Ou seja, reforço, o livro não só é indicado para maiores de 18 anos, como não é uma leitura recomendada para pessoas com estômago mais fraco.

Um dos casos que mais me chocou é o da Lacey Spears, uma mulher que tem a síndrome de Münchhausen e que após perceber que posts em seu blog e nas redes sociais nos quais mostrava seu filho com algum tipo de doença recebiam mais visualizações e comentários, passa a induzir e a falsificar vários tipos de sintomas e doenças no seu filho para chamar atenção. Infelizmente, seu filho morreu em 2014, devido a altos níveis de sódio no sangue, o que provocou uma espécie de inchaço cerebral.

Lacey Spears

Lacey Spears

Apesar do Killers do título, os casos de psicopatia aqui não necessariamente se refletem em assassinos em série ou não, mas vão envolver violência e internet de alguma forma, assim, a pesquisa feita pelos autores é bem abrangente e reúne muitos dados, abordando os mais variados tipos de crime, inclusive aqueles praticados por pessoas sem qualquer desordem psicológica e no qual o assassinato nem sempre foi planejado. Aliás, embora bem embasado, recomendaria que se você tem interesse pelo assunto e está procurando algumas obras para se inteirar sobre o assunto, considere ler Serial Killers – Anatomia do Mal antes desse.

A maneira como esses casos são relatados em Social Killers pode não agradar a todos, pois Parker e Slate adotam um tom meio jornalístico, o que deixa o livro parecendo um compilado de matérias sobre o assunto, tornando, dessa maneira, alguns dos recursos e explicações usados um pouco repetitivos para aqueles que decidirem lê-lo de um fôlego só. No final, ainda que brevemente, os autores reúnem informações sobre como se proteger na internet e pontos positivos que a internet trouxe para ajudar a combater o crime e os criminosos.

A tradução do Lucas Magdiel foi competente, mas a revisão deixou passar alguns errinhos, que não chegam a incomodar, porém, estão lá. A edição da Darkside como um todo é bem bonita e a decisão da editora de expandir o conteúdo do livro por meio de QR Codes, que levam para algumas páginas no site da editora com mais informações, incluindo fotografias, sobre cada um dos casos.

social-killers-pontocom

Social Killers – Amigos Virtuais, Assassinos Reais, de RJ Parker e JJ Slate, acaba sendo um livro que fala de casos reais de violência bem pesados, mas de uma maneira objetiva, que não tornam a leitura cansativa. Por fim, uma dica: não deixe sua mãe ler esse livro.


capa-social-killers-frente-finalAutores: RJ Parker e JJ Slate
Tradutora: Lucas Magdiel
Editora: Darkside Books
Ano: 2015
Número de páginas: 272
Sinopse: Social Killers Amigos virtuais, assassinos reais Você realmente conhece todas aquelas pessoas listadas como seus amigos? Se o velho ditado “quem vê cara não vê coração” for mesmo verdade, o que se pode dizer sobre todos aqueles avatares sorridentes que você adicionou? A realidade, ainda que virtual, pode ser bem mais assustadora que a ficção. Enquanto um vampiro precisaria ser convidado para entrar, um psicopata on-line não vai perder a oportunidade de entrar quando encontra janelas abertas. Cuidado com o que você curte. Social Killers – Amigos Virtuais, Assassinos Reais é um livro assustadoramente verdadeiro. Seus autores, RJ Parker e JJ Slate, reúnem alguns dos casos mais angustiantes de criminosos que usaram as redes sociais para se aproximar de suas vítimas. Stalkers, predadores sexuais, assassinos, canibais, torturadores. A lista, infelizmente, não é pequena. E novas solicitações de amizade continuam chegando a cada dia. Parker e Slate deixam claro que esse não é um fenômeno novo. Muito antes da internet, criminosos usavam classificados de jornal para descobrir e atrair suas presas. Mas o anonimato da web permite que cada vez mais lobos usem roupas de cordeiro nas suas fotos de perfil. Mas existe luz no fim do túnel. Analisando mais de 30 casos famosos, os autores demonstram como as forças da lei estão usando, com sucesso, as novas ferramentas de comunicação para investigar e prender foras da lei e desmantelar quadrilhas. E ainda ensinam dicas de segurança. Social Killers – Amigos Virtuais, Assassinos Rais é um alerta para todos nós, que passamos tanto tempo conectados.