Depois do sucesso de Garota Exemplar, Gillian Flynn tornou-se, para muitos, referência em suspense, entregando bons romances que corresponderam às expectativas dos leitores, como Objetos Cortantes e Lugares Escuros, porém será que a norte-americana consegue manter a qualidade em uma história curta? É isso que tentamos descobrir em O Adulto, conto da autora publicado pela Intrínseca no país.

Originalmente, o conto integrava uma antologia organizada pelo George R. R. Martin chamada Rogues – publicada em partes no Brasil pela extinta Saída de Emergência, com o título de O Príncipe de Westeros e Outras Histórias -, ao lado de histórias do próprio Martin, do Neil Gaiman, Patrick Rothfuss e vários outros autores famosos que escrevem aquilo é conhecido como ficção especulativa.

Nessa história, vencedora do Edgar Award de melhor conto, somos apresentados a uma jovem trapaceira que tem que parar de trabalhar batendo punhetas para homens por ter desenvolvido uma síndrome de túnel de carpo, o que a faz ser promovida ao posto de falsa vidente, no qual diz a donas de casas ricas e emotivas exatamente o que elas querem ouvir. Planejando tirar proveito da situação, vê a chance de ganhar uns trocados a mais quando atende Susan Burkes, uma mulher que se mudou a pouco tempo com o marido, o filho e o enteado adolescente para a cidade e acredita estar sendo atormentada por algo aterrorizante em sua mansão. Porém, é óbvio, nem tudo dá tão certo quanto a protagonista imaginava e a oportunidade de dinheiro fácil se transforma em um verdadeiro pesadelo.

Eu não parei de bater punheta para os outros por não ser boa. Parei de bater punheta por ser a melhor.

É dessa forma que a Gillian Flynn não só inicia o conto, como também nos apresenta à protagonista, que vai permanecer sem nome até o final da história, e, sinceramente, não há jeito melhor para se iniciar a trama que a autora quer contar. Logo de cara somos expostos ao estilo mais cru da narrativa, que não poupa meias palavras e é objetiva e pungente, sabendo como cadenciar a trama de uma maneira que a leveza é substituída aos poucos por um certo assombro, ainda que a ironia e o sarcasmo sigam os mesmos até a última palavra.

A narrativa em primeira pessoa ajuda a humanizar a personagem principal e é possível, inclusive, relacionar-se e simpatizar com a sua história de vida, que certamente não foi fácil. O suspense bem cadenciado típico da autora soma ao tom e às inspirações sobrenaturais que a autora traz em sua obra pela primeira vez, ao menos que eu saiba, dando um certo frescor ao texto para os fãs de Flynn. Combinado ao ritmo eletrizante, as poucas páginas tornam esse livro perfeito para se ler em uma única sentada.

Porém se tudo caminhava para que essa história fosse uma indicação sem qualquer ressalva, veio o ponto alto… e Flynn não soube quando parar a narrativa. Toda a trama é costurada pela autora ao redor do impacto que teremos ao final do livro, porém ela passa o ápice de sua história e começa a enchê-la de suposições e explicações que tornam o desfecho bem mais fraco do que era inicialmente.

Ainda assim, O Adulto, de Gillian Flynn, é um conto interessante e dono de uma protagonista ímpar, que se junta ao rol de ótimos personagens construídos pela autora, arrematado por um suspense envolvente e com um toque sobrenatural, por mais que o final tire um pouco da força da história.


o-adultoAutora: Gillian Flynn
Tradutor: Alexandre Martins
Editora: Intrínseca
Número de páginas: 64
Ano: 2016
Sinopse: Uma jovem ganha a vida praticando pequenas fraudes. Seu principal talento é a capacidade de dizer às pessoas exatamente o que elas querem ouvir, e sua mais recente ocupação consiste em se passar por vidente, oferecendo o serviço de leitura de aura para donas de casa ricas e tristes.

Certo dia, ela atende Susan Burkes, que se mudou há pouco tempo para a cidade com o marido, o filho pequeno e o enteado adolescente. Experiente observadora do comportamento humano, a falsa sensitiva logo enxerga em Susan uma mulher desesperada por injetar um pouco de emoção em sua vida monótona e planeja tirar vantagem da situação.

No entanto, quando visita a impressionante mansão dos Burke, que Susan acredita ser a causa de seus problemas, e se depara com acontecimentos aterrorizantes, a jovem se convence de que há algo tenebroso à espreita. Agora, ela precisa descobrir onde o mal se esconde, e como escapar dele. Se é que há alguma chance.

Em seu estilo inconfundível que arrebatou milhares de fãs, Gillian Flynn traça surpreendentes e intrigantes perfis psicológicos dos personagens e tece uma narrativa repleta de suspense ao mesmo tempo em que brinca com elementos clássicos do sobrenatural.