A Seleção2

Os Estados Unidos como conhecemos caiu, dando lugar ao Estado Americano da China e este deu lugar a Illéa. E neste futuro distópico, em que a sociedade é dividida em castas, que definem as camadas sociais pela situação financeira e profissional, além de não dar chance para as pessoas subirem facilmente de castas e melhorarem suas vidas, há um evento. Há a Seleção, e é este evento que irá mudar a vida de America Singer.

America Singer é uma artista, pertencente a casta Cinco, assim como o resto da sua família, e que é apaixonada por Aspen, da Seis, apenas duas casas acima dos Oito, a casta mais baixa, composta por mendigos. Tudo transcorria de modo normal na vida de America, até o anúncio de que o príncipe Maxon ia completar 20 anos e que uma nova princesa era necessária, ou seja, assim como os que vieram antes de Maxon, ele escolheria sua mulher na Seleção.

A Seleção é um evento no qual todas as garotas com idade entre 16 e 20 anos são convidadas a se inscrever e destas, 35 garotas, uma de cada província do país, são sorteadas e levadas para o palácio. Lá o príncipe vai conhecendo uma a uma, eliminando as que não aprovar ou que quebrem alguma das regras, até que a última se casará com ele e será a nova princesa de Illéa, além de ser elevada a Um. America não quer se inscrever, mas por pressão de sua mãe e até do Aspen se inscreve, e acaba por ser selecionada.

Senhorita America Singer, de Carolina, Cinco. Voltei os olhos para a TV, no susto. Lá estava minha foto, tirada logo depois de ter descoberto que Aspen estava juntando dinheiro para se casar comigo. Eu parecia radiante, esperançosa, linda. Dava para notar que eu estava apaixonada. E algum imbecil achou que era pelo príncipe Maxon.

E é quando America vai para o castelo, quando ela realmente conhece Maxon, conhece as demais selecionadas e um triângulo amoroso se forma dentro da cabeça da jovem, além dos mistérios que envolvem os rebeldes que atacam Illéa e o próprio governo, que o livro deslancha.

Ao longo das páginas do livro, você percebe que Kiera Cass, a autora da série, sabe escrever. Ela consegue fazer a personagem principal ser forte, marcante, além de criar um “elenco” de personagens igualmente interessantes. Assim, grande parte do brilho deste primeiro livro está na America, que é uma protagonista forte e que derruba certos clichês, como o fato de que as protagonistas femininas sempre tem que ser tão dependentes.

-Não é culpa nossa se nosso bisavô ou sei lá quem era pobre.
-Eu sei.
Parecia mesmo irracional limitar as opções de vida com base na ajuda que seus antepassados deram ao governo, mas as coisas eram assim.

A ambientação distópica cria ótimas deixas para que a autora critique a desigualdade social e outros problemas atuais por meio do sistema de castas presente no universo do livro. Afinal enquanto os Um, Dois e Três abusam de todo o dinheiro que possuem, os Quatro possuem o necessário para sobreviver e ter um pouco mais de conforto, as demais castas muitas vezes não sabem se haverá uma próxima refeição, com os Oito, a casta mais baixa, beirando a miséria absoluta.

A Seleção é um livro ótimo para uma leitura descompromissada, mas nem por isso é um livro que não vai instigá-lo a levantar alguns questionamentos sobre os problemas da nossa sociedade. Com uma protagonista marcante, o livro deixa um bom gancho para a sequência e cumpre o seu papel de introduzir o universo da trilogia, agora o desafio para o próximo é maior a autora que vai ter que saber dosar bem o romance no próximo livro.

4/5

A SeleçãoEditora: Seguinte
Ano: 
2012
Autor(a): 
Kiera Cass
Tradutor(a): 
Cristian Clemente
Páginas:
368
Sinopse: Para trinta e cinco garotas, a “Seleção” é a chance de uma vida. Num futuro em que os Estados Unidos deram lugar ao Estado Americano da China e mais recentemente a Illéa, um país jovem com uma sociedade dividida em castas, a competição que reúne moças de dezesseis e vinte anos de todas as partes para decidir quem se casará com o príncipe é a oportunidade de escapar de uma realidade imposta a elas ainda no berço. É a chance de ser alçada de um mundo de possibilidades reduzidas para um mundo de vestidos deslumbrantes e joias valiosas. De morar em um palácio, conquistar o coração do belo príncipe Maxon e um dia ser a rainha.

Para America Singer, no entanto, uma artista da casta Cinco, estar entre as Selecionadas é um pesadelo. Significa deixar para trás Aspen, o rapaz que realmente ama e que está uma casta abaixo dela. Significa abandonar sua família e seu lar para entrar em uma disputa ferrenha por uma coroa que ela não quer. E viver em um palácio sob a ameaça constante de ataques rebeldes.

Então America conhece pessoalmente o príncipe. Bondoso, educado, engraçado e muito, muito charmoso, Maxon não é nada do que se poderia esperar. Eles formam uma aliança, e, aos poucos, America começa a refletir sobre tudo o que tinha planejado para si mesma — e percebe que a vida com que sempre sonhou talvez não seja nada comparada ao futuro que ela nunca tinha ousado imaginar.