“É impossível ‘capturar a vida’ se a gente não mantém diários.”

A Biblioteca Azul, selo da Globo Livros, publica em novembro a reunião de diários escritos pela poeta Sylvia Plath, autora de A Redoma de Vidro, entre 1950 e 1962. A edição foi reunida em ordem cronológica que abrangem oito diários e outros quinze fragmentos de diários e de cadernos de anotações do mesmo período, transcritos diretamente dos manuscritos originais do Smith College. Abaixo, confira os detalhes da edição.

Páginas: 824 | Tradução: Celso Nogueira | Pré-venda na Amazon

Sinopse: Nesta nova edição, a Biblioteca Azul traz os diários de uma das poetas mais aclamadas do século XX, transcritos dos manuscritos originais do Smith College, além de um caderno de fotos com imagens da vida da autora. Sylvia Plath começou a escrever memórias e diários aos onze anos, o que fez até sua morte, aos trinta. A narrativa central desta edição abrange oito diários de sua vida adulta, de 1950 a 1962, dispostos separadamente, em ordem cronológica, além de quinze fragmentos de diários e cadernos de anotações, escritos entre 1951 e 1962, organizados também cronologicamente como apêndices. “Minha vida, sinto, não será vivida até que haja livros e histórias que a revivam perpetuamente no tempo”, disse Plath. Os relatos de seus anos como universitária, no Smith College, em Massachusetts, e no Newnham College, em Cambridge, o casamento com Ted Hughes e dois anos de sua vida como professora e escritora na Nova Inglaterra, além de rico material para os leitores interessados na vida da poeta, lançam uma nova luz à vasta produção poética e em prosa da autora, amplamente autobiográfica.